Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sábado, 18 de novembro de 2017

ALTAR DE JURAMENTOS


POSICIONAMENTO NAS LOJAS DO REAA
O Altar dos Juramentos faz parte do mobiliário de uma Loja, aqui no Brasil, nos seguintes Ritos: REAA, Adonhiramita, Brasileiro e Rito de York Americano (Lojas Azuis). Não fazendo parte nos Rito Francês ou Moderno, Trabalho de Emulação, Rito de Schröder ou Alemão e no Rito Escocês Retificado.

No REAA, na maioria das lojas, ele está, atualmente, situado no Ocidente, no centro da Loja. Entretanto, em muitas Lojas ele está no Oriente, seu verdadeiro lugar. No Rito de York Americano, também, ele está localizado no centro da Loja, aliás, esta, sempre, foi sua posição desde a criação do Rito.

Nos Ritos Adonhiramita e Rito Brasileiro ele, sempre esteve localizado no Oriente. Quanto à sua posição em Loja, têm que se considerar vários aspectos: ele seria um símbolo de origem puramente maçônica, criado a partir do pedestal ou altar do Venerável, onde nos ritos antigos, especialmente na Inglaterra, os iniciados, ajoelhados em frente ao Altar, prestavam seu juramento; o Altar dos Juramentos seria uma cópia do Altar-Mor das Igrejas Católicas.

Sabemos que a Maçonaria copiou muita coisa da Igreja, inclusive o Templo, o qual, de Templo de Salomão não tem nada ou, apenas, o lembra.

Quando se fala em Templo de Salomão tudo é simbólico ou alegórico.

Quando a Maçonaria começou a existir perto à Igreja Católica, simplesmente, já existia há mil anos. E a Maçonaria copiou muita coisa da Igreja Católica, aliás, não só da Igreja Católica, bem como de entidades iniciáticas antigas, da Bíblia e, também, assimilou muita coisa da cultura dos antigos, seus símbolos suas lendas; ou ele seria um símbolo equivalente a uma peça do Templo de Salomão, correspondente ao Altar dos Holocaustos.

Têm Irmãos estudiosos como Teobaldo Varoli Filho e João Nery Guimarães, Pedro, Juk, além de outros, que defendem que este símbolo tem seu verdadeiro lugar no Oriente, alegando que na Maçonaria Primitiva os compromissos eram tomados no próprio Altar do Venerável sendo, portanto, uma tradição que deveria ser respeitada.

A Maçonaria Inglesa, através do Trabalho de Emulação e o Rito Escocês Retificado, ainda, usam esse sistema. Na França, quando o REAA foi reorganizado em 1804, quando o iniciando fazia seu juramento no primeiro grau ficava ajoelhado em frente ao Altar do Venerável.

Posteriormente, por comodidade e diversidade de potências e de ritos, criou-se um complemento prismático triangular no próprio Altar e que com o tempo criaram um tamborete ou móvel triangular, posteriormente, de forma quadrangular completamente desvinculado do mesmo, porém com localização no Oriente.

Esse seria um dos poucos símbolos genuinamente maçônico, já que os demais são todos emprestados de outras entidades iniciáticas esotéricas, da Igreja Católica, da Bíblia e da cultura e crenças de povos antigos, etc., e que a correspondência do Altar dos Juramentos seria com o Altar–Mor da Igreja Católica, isso, inicialmente, quando a Maçonaria começou a trabalhar em Templos, porque depois criaram um móvel próprio para as Iniciações.

Mas, inicialmente, teria sido cópia do Altar-Mor, segundo o escritor maçônico José Castellani. Outros autores defendem que a posição do Altar dos Juramentos seria no Ocidente, copiando ou comparando com o Templo de Salomão, que seria uma alegoria ao Altar dos Holocaustos, o qual, a exemplo do Mar e Bronze, Colunas J e B, Altar dos Perfumes, que na descrição bíblica estavam fora do templo, foram interiorizados para dentro dos templos maçônicos e ganharam vida própria e outras interpretações simbólicas.

Segundo outros autores, o Altar dos Holocaustos, situado no centro do pátio do Templo de Salomão, para os judeus, era um altar de sacrifícios, onde ofereciam uma vítima para louvar a Deus, geralmente um animal.

No Altar dos Juramentos, para muitos autores, o Iniciando oferece o sacrifício de vencer suas paixões, e renascer para uma nova vida. Tudo o que se está falando é puramente simbólico.

Os autores que interpretam assim acham que o Altar deva estar no centro da Loja, porque ele estava no centro do pátio, por fora do Templo de Salomão. Parece que essa interpretação não tem respaldo pela maioria dos autores.

Para certas Potências no Brasil, que praticam o REAA, o Altar dos Juramentos está no local correto, ou seja, no Oriente, já que, historicamente, ele estava no Oriente, desde sua origem. Simbolicamente, o lugar dele é no Oriente.

Outras Potências o colocaram no centro da Loja, dando a sua própria interpretação desse símbolo. Possivelmente, foi para facilitar o trânsito dos Diáconos e do Mestre de Cerimônia durante a sessão, já que em muitos templos, o Altar dos Juramentos, no Oriente, atrapalha essa deambulação por se ter pouco espaço.

Todavia, tradição é tradição e o local correto do Altar dos Juramentos é no Oriente, segundo a maioria dos autores.


Hercule Spoladore

Postagens populares